sábado, 21 de abril de 2012

Tornar-se Herói


Na Mitologia, Herói era todo aquele que diferenciava-se da maioria, por seu feitos ou habilidades extraordinárias, reconhecidas entre seus pares. Para os habitantes de sua tribo, colônia ou clã, o Herói transmitia a impressão de que controlava o seu próprio Destino, de que seria capaz de ir contra as forças naturais ou divinas que recaiam sobre os demais. Há em jogo aqui duas visões de quem era o Herói, a primeira e mais distante de ser atingida, o considerava como um Ser Semidivino produto formado da concepção de um Deus com uma Mortal (Humana), logo sua constituição não seria igual ao dos Mortais conferindo-lhe suas habilidades especiais. A segunda e mais próxima de nós, é que a partir da sua própria vontade ou “liberdade” isto lhe conferia o status e simpatia dos Deuses que o viam como um Mortal que se equivalia a um Deus, e que por isso mereceria a sua simpatia. Neste sentido os talentos herdados, seriam na verdade presentes divinos. Aos demais restaria estarem presos a sua Natureza, ao seu Destino controlado pelos Deuses, atraindo sua simpatia para o seu povo através de suas oferendas. Assim qualquer desgraça natural, era encarada como uma Divindade irritada ou descontente, apaziguadas através de ritos e oferendas distintas. Mas ao Herói era facultado a quase Imortalidade na Mortalidade diante de seus iguais, ao menos em aparência sobre os demais. O Herói como dito antes se distinguia por seus talentos inatos, suas virtudes que o tornavam um Aristocrata ou “Homo Aristos”, cuja tradução se refere a um “Estado de Homem Excelente”. O Herói se igualava aos Deuses no sentido em que era dotado de Livre Arbítrio, capaz de escrever e fazer sua própria História através de sua Vontade e escolhas. Pensando hoje em nossas vidas “pós-modernas” Heróis e Deuses continuam existindo, não apenas de modo alegórico e metafórico, presentes como Arquétipos em Filmes, Quadrinhos, Atletas e Cientistas, mas também dentro de cada um de nós, já que Ser um Indivíduo, representa em suma diferenciar-se e decidir por si mesmo. Logo concluímos que somos todos Heróis e Deuses Modernos, que escrevem e reescrevem todos os dias na História Humana suas Aventuras e feitos dignos de um dos 12 trabalhos de Hércules. Herói sob tal visão é estar Consciente de quem somos, usando nossos poderes (forças pessoais ou talentos) em favor do desenvolvimento da excelência, afinal como dizia Aristóteles neste sentido: Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um modo de agir, mas um hábito.”.

Com isso conclui-se que Herói é todo aquele capaz de Ser responsável por sua vida, pelas escolhas boas ou más que realiza a todo instante no tempo e espaço, daquilo que ele transforma, da pedra bruta que após lapidada, revela-se em uma bela joia de raro valor.

“E qual é a natureza do deserto? É uma terra onde todos vivem uma vida falsa, fazem as mesmas coisas que os outros fazem, do modo como lhes foi ensinado, sem que ninguém tenha coragem de viver sua própria vida.”  Joseph Campbell

Pax e Lux!