domingo, 7 de novembro de 2010

A Noite Escura da Alma


As vezes é preciso se perder para reencontrar-se, e uma passagem pela Noite Escura da Alma é a oportunidade para esta máxima em nossas vidas. Alguns a temem, outros a esperam ansiosamente, enquanto outros nem sabem de sua existência. É meus amigos cada um decide como será a sua viagem, todo Peregrino ao embarcar numa jornada de auto-conhecimento poderá contar com mapas de viajem ou não, poderá atravessar mares, riachos, de um simples bote ao navio, de suas sandálias gastas ao avião ou trem. Cada veiculo nos proporcionará variadas experiências, alguns nos levam rapidamente ao destino planejado, não permitindo tempo suficiente para interagirmos com o ambiente, enquanto outros são um mergulho visceral em tudo o que uma experiência humana pode nos oferecer, riscos certamente, mas também a transcendência de concluirmos a nossa jornada.

Alguns dizem que não é necessário que você saia do lugar, ou mesmo que tenha de ir a algum lugar especial, a jornada começa e termina no mesmo ponto, ou em ponto algum, basta fechar os olhos e respirar, e você já estará lá, pois cada um já é um Ser Completo, o UM, o Micro de um Cosmos maior e mais abrangente. Acredito que esta é uma visão correta, tão correta quanto a jornada física, quanto a calçarmos nossas sandálias e nos aventurarmos pela Selva de Pedra e seu constrates de cores e aromas, de sombras e luz. Há vezes em que faz-se necessário sairmos de nós mesmos, para nos reencontramos. Como saberemos se não estivermos atentos aos sinais, de que o outro mesmo não se dirigindo a nós, fez exatamente isso a ouvirmos uma simples conversa, ou passarmos por debaixo de uma passarela, um viaduto e lá vermos uma outra humanidade que não fazíamos idéia até então de sua existência.

Hora alguns são livres e não sabem de sua liberdade, enquanto outros são presos e almejam a liberdade. Porém liberdade do que ou de quem ? De nós mesmos eu diria ! Sim é isso mesmo... criamos a todo instante o nossos mundo, Orientais falam há milênios sobre isso, e a agora a Fisica Quântica. O mundo é uma Ilusão então ? Como alguns agora poderiam se questionar... bem eu não sei a resposta... e cada um deve buscar a sua... mas talvez seja mais simples que isso... o fato de pensar sobre estas perguntas, já faz de nossa consciência uma existência concreta, neste mundo ou plano de existência e espaço tempo que por hora estamops localizados... mas o que desejo dizer é que vejo consciências aprisionadas, aprisionando suas possibilidades e escolhas, envelhecendo a cada dia em que se olham ao espelho, e vêem apenas uma imagem refletida, mas não quem realmente são... e descobrir quem realmente é... é tarefa para uma vida toda... ou várias... já que mesmo em uma única vida... vivemos várias vidas não vividas... e outras tantas mil a serem vividas das expectativas de outros que nos são próximos e outros que nem conhecemos, representadas pela grande massa humana, apelidada por Sociedade.

De certo modo seriamos todos prisioneiros, reféns, mas não precisa ser assim... nos enganamos como Narciso que enamorava-se a si próprio através de uma imagem refletida... seremos isso ! apenas imagens refletidas ? Algumas pessoas gostam do reflexo que vêem através do espelho... enquanto outros odeiam o que vêem em si próprias... e assim vão vivendo suas vidas com base apenas em projeções imperfeitas, criadas a partir de um reflexo ou auto-retrato, de uma imagem idealizada e construída de si mesmas. Chamada "Personalidade" que a propósito é muito bem representadas pelas Mascaras Gregas de onde nasceu o termo. Se somos Atores Sociais quem realmente somos nós ou desejamos ? Quem é o Ator por de trás da Máscara ? Se a vida for um Grande Palco de Teatro, para que experimentamos os vários personagens ? Que personagem serei eu ? Que personagem será você ? Quando o espetáculo acaba, as luzes são apagadas e o teatro esvaziado, o que sobra dos personagens lá representados ou dos dramas apresentados ?

É triste ver que mesmo que o mundo não seja virtual ou holográfico como nos faz pensar algumas religiões e novas teorias que vem (re)surgindo, já que somos todos dotados de uma palavra mágica chamada “Consciência”. Teorias mecanicistas crêem que seriamos apenas um subproduto biológico produzido por nosso cérebro, verdadeiras "máquinas biológicas"  ao explicarem o seu paradigma mais ou menos como explicariamos a forma de uma Catedral, baseando-se apenas nos elementos que a constituem como tijolos e argamassa, insuficientes para explicarem como as Catedrais são construidas e assim desprezando toda uma riqueza de Arquitetura previamente planejada e ainda do valor desta obra após sua conclusão. Tornar-se "Consciente", é justamente tomar consciência de si e do mundo, saber que uma decisão, uma escolha pode gerar um efeito dominó, que mesmo não escolhendo nada, já terá feito uma opção, a opção de deixar que apenas eventos exteriores moldem suas decisões, esquecendo do poder interior transformador e criador que habita dentro de si, pois cada Homem é construtor do seu próprio Templo, se o habitará ou não, esta é uma decisão que cabe a cada um tomar.

E é por isso que enfrentamos a Noite Escura da Alma, para nos recordarmos que estamos vivos, que respiramos, pois só o que é vivo pode morrer, e se faz necessário morrer muitas vezes na vida, e continuar respirando. Algumas vezes precisamos adentrar na noite escura da alma... para de lá retornarmos mais fortes e confiantes de nossas mais profundas convicções... pois um Homem sem Fé... não passaria de poeira espalhada pelo vento... sem uma direção nada Somos... por isso mesmo nas mais profundas Trevas... caminhamos sempre na busca pela Luz... afinal nada é só Trevas ou Luz... ambas coexistem de modo que somos convidados a distinguir o Real do Imaginário... o Verdadeiro do Falso... num intricado jogo de Sombras e Luz projetadas... cujo Véu da Verdade intimo de cada um... desejamos descerrar... de algo que apenas pode ser sentido em seu interior... mas que não pode ser visto por ninguém... o que acaba por testar a Fé do Eterno Peregrino... ou daqueles que apenas Professam o Vazio da Existência...

Por fim descemos até o subterrâneo... rumo ao mundo dos mortos de Hades... mas após uma longa estadia durante o Inverno... não podemos nos esquecer que com o surgimento da primavera, o tempo em que passamos dormentes chegou ao fim... e como Perséfone somos liberados a irromper novamente a Superfície onde vivíamos felizes e alegres até então. Pois o fruto morre para gerar a semente que debaixo da Terra brota, e se transforma na planta, na árvore, no novo fruto a ser colhido e saboreado por cada um de nós. Esta é a idéia... vida e morte, quente e frio, sombras e luz, conhecimento e ignorância, amor e dor... todos os opostos são como irmãos e semelhantes entre si, como pólos magnéticos que se atraem e complementam-se mutuamente... Como nas estações do ano, precisamos passar pelo Inverno da Alma para reavaliarmos, nossas vidas, crenças, valores e escolhas... transcendidos de quem éramos ao surgimento de mais um ciclo de existências.

“Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.” Platão

PAX & LUX !